Overview

O refluxo gastroesofágico (DRGE) é uma doença crónica, recidivante e frequente, que está relacionada com o refluxo retrógrado do conteúdo gástrico para o esófago e/ou órgãos adjacentes. Este refluxo retrógrado consiste no ácido e nas enzimas digestivas do estômago que refluem para o esófago, inflamando o seu revestimento, provocando azia e outros sintomas.

Na doença do refluxo gastroesofágico um anel muscular designado esfíncter esofágico inferior que separa o esófago do estômago não fecha firmemente e mantém-se relaxado entre as deglutições, permitindo que o suco digestivo do estômago entre no esófago e cause irritação, azia e outros sintomas.

Se a doença não for tratada podem surgir lesões (feridas) na parede do esófago, o estreitamento do esófago assim como o desenvolvimento de úlcera.

Prevalência

O refluxo gastroesofágico é a doença crónica do tubo digestivo mais prevalente. Trata-se de uma condição comum e estima-se que cerca de 20% da população do mundo ocidental apresente sintomatologia de refluxo. (1)

Sinais e Sintomas

Apesar do refluxo em pequena quantidade e depois de refeições pesadas ser normal, existe doença quando:

  • O refluxo passa a ser muito intenso e/ou muito frequente;

  • O refluxo começa a causar outros sintomas como:

    • Azia (pirose): sensação de ardor ou queimadura no peito que se pode estender até ao pescoço.  Normalmente aparece menos de uma hora depois das refeições e piora em posição deitada ou inclinada para a frente; 

    • Regurgitação: é a sensação de que os alimentos sobem até à boca, sem que se faça esforço para vomitar;

    • Sensação de aperto no peito ou na parte de cima da barriga (estômago);

    • Dor ou dificuldade ao engolir;

    • Sabor ácido recorrente ou amargo na boca;

    • Vómitos escuros ou sangue no vómito (sintoma raro).

Podem ainda surgir outras queixas, associadas às acima descritas, como tosse, rouquidão, falta de ar ou inflamação das gengivas.

Perante estas queixas fale com o seu médico que, caso necessário, poderá realizar uma endoscopia digestiva alta, uma radiografia do esófago, estômago e duodeno ou pHmetria das últimas 24h para avaliar se existe um aumento de acidez.

Tratamento

Para a melhoria dos sintomas são normalmente adotadas as seguintes medidas:

  • Evitar refeições muito pesadas com ingestão de alimentos em grande quantidade, preferindo comer mais vezes ao longo do dia;

  • Evitar ingerir alimentos 2 ou 3 horas antes de se deitar;

  • Evitar os alimentos que provocam o relaxamento do esfíncter durante a digestão: café, chá preto, chocolate, alimentos gordos, leite gordo, menta;

  • Limitar a ingestão de alimentos ácidos que agravam a irritação quando são regurgitados (citrinos e tomate);

  • Evitar as bebidas gaseificadas, pois as eructações de gás forçam a abertura do esfíncter esofágico e promovem o refluxo;

  • Deixar de fumar;

  • Evitar beber álcool, pois este provoca o relaxamento do esfíncter esofágico inferior;

  • Perder peso. O excesso de peso pode dificultar a manutenção do esfíncter esofágico encerrado;

  • Evitar usar vestuário apertado; o aumento da pressão no abdómen pode abrir o esfíncter esofágico inferior;

  • Dormir com a cabeceira ligeiramente levantada.

Para além destas medidas deve seguir o tratamento que o seu médico ou farmacêutico lhe indicar.

(1) Moayyedi P, Talley NJ. Gastro-oesophageal reflux disease. A comprehensive review. Lancet 206; 367:2086-2100.