Overview

As quantidades excessivas de colesterol no sangue podem acumular-se na parede das artérias e levar à doença aterosclerótica. Se os níveis de colesterol no sangue forem elevados, essas placas podem aumentar e obstruir o fluxo sanguíneo, diminuindo o fornecimento de oxigénio aos tecidos. Quando a doença aterosclerótica existe predominantemente a nível das artérias do coração (artérias coronárias), o músculo cardíaco (miocárdio) recebe menos sangue, logo menos oxigénio e nutrientes necessários para a sua sobrevivência, provocando isquémia no miocárdio. Se a isquémia for transitória dá origem à angina de peito, se for prolongada o miocárdio pode sofrer lesões irreversíveis, ocorrendo enfarte do miocárdio.

Se for mais acentuada a nível das artérias cerebrais pode surgir um acidente vascular cerebral (trombose).

A nível das artérias das pernas pode surgir um tipo de angina designada claudicação intermitente. Esta manifesta-se por uma dor na massa dos gémeos que surge quando o doente caminha.

Angina de peito

A angina de peito é um sintoma que resulta da interrupção ou diminuição do transporte de oxigénio e nutrientes às células do miocárdio, habitualmente devido à doença aterosclerótica das artérias coronárias.

Os principais sinais e sintomas são desconforto/pressão no peito, queimadura ou aperto, desencadeados por um esforço físico e que alivia com o repouso, em poucos minutos.

Enfarte do miocárdio

Na doença aterosclerótica existem formações de placas ricas em colesterol que são cobertas por uma camada de fibras. Quando esta capa fibrosa é lesada e se rompe, há a formação de um coágulo que pode dificultar ou impedir o fluxo de sangue para além do local onde se deu a rotura da placa. Se a interrupção do fluxo de sangue demorar mais que alguns minutos, o sofrimento pode ser irreversível levando à morte das células do músculo do coração.

A rotura desta placa aterosclerótica (trombo) pode ser resultante de uma situação de stress.

Alguns enfartes agudos do miocárdio determinam sintomas súbitos e muito intensos, que levam à procura imediata de urgência médica. Contudo, na maioria dos enfartes, o doente tem dúvida quanto à origem dos sintomas e muitas das vezes demora demasiado tempo a procurar ajuda médica uma vez que os sintomas são graduais, tendo início com dor ou desconforto de intensidade ligeira ou moderada.

Os sinais e sintomas do enfarte do miocárdio são:

  • Dor, aperto ou pressão no centro do peito que persiste (geralmente mais que 20 minutos) ou que “vai e vem”;

  • A dor principal situa-se habitualmente abaixo do esterno, mas pode também atingir os braços, os maxilares, a zona entre as omoplatas ou até mesmo o estômago;

  • Falta de ar com ou sem desconforto torácico;

  • Outros sintomas incluem náuseas, tonturas, dificuldade em respirar ou falta de ar e sudação.

Os sintomas de enfarte agudo do miocárdio nas mulheres são menos caraterísticos que nos homens. Por este motivo, as mulheres procuram ajuda médica mais tarde que os homens. As pessoas idosas têm também sintomas menos caraterísticos como falta de ar.

Acidente Vascular Cerebral (AVC)

O AVC é a primeira causa de morte em Portugal. Quando a doença aterosclerótica existe predominantemente ao nível das artérias cerebrais, pode haver um rompimento da placa aterosclerótica (trombo) que interrompe o fluxo sanguíneo a uma determinada região do cérebro desencadeando um AVC isquémico. No caso do rompimento de uma artéria dá-se um AVC hemorrágico.

Os sintomas que poderão ser causados pelo AVC são os seguintes:

  • Dificuldade súbita em mexer uma perna, braço ou ambos os membros de um dos lados do corpo;

  • Desvio da boca para um dos lados;

  • Dificuldade em falar, com início súbito;

  • Perda súbita de visão;

  • Diminuição da sensibilidade ou sensação de encortiçamento de uma perna, de um braço ou de ambos os membros de um dos lados do corpo.

Fatores de risco

A maior parte das doenças cardiovasculares resulta de um estilo de vida inapropriado e de exposição a fatores de risco tais como:

  • Tabaco;

  • Sedentarismo;

  • Obesidade e diabetes;

  • Hipertensão arterial;

  • Hipercolesterolemia;

  • Maus hábitos alimentares;

  • Stress excessivo.

É fundamental que adote hábitos de vida saudáveis para a prevenção cardiovascular. Siga os conselhos da Sociedade Portuguesa de Cardiologia e beneficie de uma vida mais longa.